Tendências de Relações Públicas para 2010

Eu não estava com ideias de continuar a alimentar este blog com novos posts (sem pelo menos uma reestruturação profunda), mas este tema é demasiado importante para arriscar a que passe ao lado.

2009-12-14_2212

No twitter, o João Duarte lançou um apelo, que se faça um esforço colectivo para identificar as principais tendências de relações públicas para o ano de 2010.

O que gosto nesta ideia passa pelo facto de não se limitar à opinião de uma pessoa, mas em vez disso juntar sob a mesma hashtag o conjunto de opiniões. Deste modo, cada um fica encarregue de decidir por si qual a perspectiva que considera mais acertada.

Por isso, participem! Podem fazê-lo através da tag #PRC2010 no twitter, ou deixando um comentário neste post.

A New Direction

Public Relations and Strategic Management — A Different Perspective (20091104)

This is, I hope, the post you have been waiting for.

This blog well no longer be updated and instead will serve as a repository of information, to reflect this the frontpage will be changed to focus on search, discovery and sharing.

But this does not mean I will stop blogging.

You can find the new blog over at A Different Perspective — Public Relations and Strategic Management. But do not count on fast and frequent updates, there is a world of twitter out there just for that. Instead, I hope to use the new blog to publish more substantial and in-depth articles.

So drop by, update your rss reader with the new feed and feel free to let me know what you think.

What is to come?

I have now an idea on what direction this blog needs to follow. Taking into account that its content will have to be maintained, that several courses still use it as a reference for Online PR in Portugal.

But before all that comes to be, I have been taking steps to add to the traditional stream of post what I believe is a great insight about Public Relations in Portuguese.

Only after that will I be applying any more changes. I can tell you it will be a good blend of Blogging and Microblogging as well as a display of what I consider to be best practices in Online Public Relations with hopes of reaching a wider audience and at the same time allow for meaningful dialogue.

Please wait just a while longer.

Looking back to see what’s ahead

If you follow this blog or simply look at the archives, you will notice posting speed is down. And no, it is not simply because of my thesis or any other activity. I simply have not found a good topic to write about.

And recently it hit me why…

I still keep an eye on twitter and in a bunch of other portuguese blogs about public relations. Recently I compiled a list of a few portuguese blogs I read and Armando Alves was even surprised to find out he fits in that category.

Also, while celebrating their one year of blogging, PiaR wrote an interesting analysis regarding Public Relations Agencies in Portugal. My take on the post is that we are lacking a good amount of discussion. And if before we used to get good insight and dialog thanks to the newspapers who cover PR and Marketing in Portugal, that is no longer the case.

And as for blogs, agencies were quick to jump on but haven’t been able to catch on. What I mean is that blogs by PR professionals are being misused. What should be about listening and engaging in dialogue is proving not to be more than broadcasting and selling. I am not sure if anyone is buying…

Some agencies re-write press releases into blog posts, others focus on commenting the sector in an attempt to set their own agenda. And a few others are sticking to the formula that worked even though it does not work anymore. All is not lost, but I fear that less than a handful of authors are listening in and trying to engage in a conversation.

To aggravate the fact that these authors are outnumbered, several “experts” have popped up over the last 12 months. Correct me if I am wrong, but shouldn’t we start out as professionals and only then move on to being “experts”? (Whatever that means)

In the meantime, twitter and facebook are all the rage and the cycle is repeating.It is again more about broadcasting than about creating spaces for debate.

In a nutshell, all this means that this blog needs a new direction and I need a new perspective as to what it should be. One thought on my mind is if I should even continue to write in Portuguese.

All I can say is that this blog will not fade, nor will I move on to the next shiny new thing abandoning it altogether. So please, bear with me for a while.

Bledcom, Last day and final thoughts

Following the bar set high by the first day of the conference, the second and last part of the event lived up to expectations.

New Zealand contributed with an interesting perspective and explanation of the Maori Party’s campaign. Other presentations focused more on cultural aspects as well as in the analysis of discourse.

bledcomThis is where David Phillips and I had a chance to participate.

We presented our paper on the analysis of online discourse and at the last minute thought about analysing the hyperlink network around BledCom.com.

And so we did.

Both the network analysis and the semantic analysis showed to be in tune with the spirit of the conference. As David Phillips explains, it’s not about the words we use the most, but the concepts present along the discourse.

This example of real time analysis allows for an up to the minute monitoring of a public relations strategy as well as an initial assessment on publics’ values. And we are just looking at the tip of the iceberg.

last but not least, I would like to thank everyone who took a part in organizing the conference. Your effort did not go unnoticed.

Bledcom, First Day

Made it to Bled after a trip that proved to be longer than expected.

And so far I most say that the choice of subject for the conference was perfect — Culture and Public Relations.

It was interesting to listen to perspectives on how culture changes Public Relations from Hong Kong to Germany, no matter what area we are talking about — Lobby, Stakeholder Management, Political Communication and more.

Such presentations do more than just spark curiosity, they make me re-think what I know about Public Relations in a broader scale. Due to the different values that help make up each culture practices and strategy need to be re-thought.

Each presentation can also serve to point out to a need to understand values systems and how they influence relationships as being the challenge for practitioners.

Cannot wait to see how tomorrow will turn out to be.

Bledcom 2009

In a few hours I will be travelling to Venice, so I can then reach Bled in Slovenia by train.

The occasion, Bledcom 2009 where I am presenting a paper with Professor David Phillips. We will be talking about A proof of concept for automated discourse analysis in support of identification of relationship building online.

What this means is that due to the way we now communicate it is possible to identify relationships and networks of relationships. Thus placing Public Relations in a new light.

But more on that later, I will try to post on the blog and on twitter as much as possible using #bledcom as a tag.

Photo Copyright: http://www.flickr.com/photos/trentstrohm/130077084/

Do twitter ao facebook, onde ficam os blogs?

As conversas que tenho sobre redes sociais, sobre o twitter e o facebook em especial, já me soam a ideias recicladas.

Não acrescentam nada de novo e geralmente dou por mim a desmitificar sempre os mesmos mitos.

Eu não vejo interesse no twitter.

Esta frase vem de quem saltou para o twitter para perceber o que era e perdeu o interesse rapidamente.

O factor comum é que seguem imensos desconhecidos no twitter. Se estivermos a seguir pesoas que não têm um contributo para o nosso dia a dia, é normal que não tenham interesse. Já se em contrapartia nos esforçarmos por seguir pessoas com ideias que achamos interessantes, então o cenário muda completamente (mesmo que sejam ideias totalmente opostas às nossas, basta que sejam relevantes).

Pessoalmente, acho que o twitter é bastante mais interessante quando seguimos pessoas que nos são próximas. Pois permite coordenar esforços de modo mais simples do que através de um sms.

Eu não vejo interesse no facebook.

Relaciona-se com a primeira resposta, com a diferença de que o facebook é equivalente ao twitter com uma série de funções mais dinâmicas. Em ambas as plataformas podemos criar jogos e aplicações, seja por pura diversão ou para facilitar algum aspecto da nossa vida.

Desta forma, a rede social que escolhermos torna-se num instrumento de comunicação e entertenimento.

O facebook/twitter/hi5 tem um enorme potencial publicitário.

Este tópico de conversa é o que mais confusão gera. Primeiro porque se aplica nas redes sociais os mesmos modelos que se aplicam aos meios de comunicação tradicionais numa tentativa de compreender e explicar melhor algo que é bastante dispar. É normal que surjam conclusões que não correspondem à realidade.

Quando se fala de acções de word of mouth, os números acabam sempre por ser exagerados e pensa-se que tudo se irá tornar viral e percorrer a rede. Isso nem sempre acontece, não costuma ser monitorizado e quando é raramente é feita a correlação com os objectivos de negócio.

O interesse agora está nas redes sociais e não nos blogs.

Talvez, mas neste caso costumo recordar os Hype Cycles da Gartner.

dl_hypecycle

Não nos podemos deixar levar pelo Hype que neste momento está em torno das redes sociais.

É verdade que muitas pessoas vão preferir usar o perfil de facebook para interagir e formar relacionamentos com valor para o seu trabalho ou vida pessoal. Mas isto não é tudo.

A Wired tem uma perspectiva interessante sobre o que se passa entre o facebook e o google. Segundo eles, o facebook está a esforçar-se por ganhar massa crítica, de modo a ter o papel mais predominante nas pesquisas entre a rede social de cada um (amigos, colegas de trabalho etc.).

Mas se hoje temos o twitter e o facebook, amanhã teremos o friendfeed ou qualquer outra plataforma.

Os blogs por sua vez são uma plataforma mais estável e com a capacidade de se adaptar às redes sociais que existem ou vierem a surgir. E além dos blogs temos ainda o papel importante dos websites corporativos.

Estamos perante uma oportunidade para usar os blogs de modo original e inesperado, para criar relações entre uma organização e diversos públicos. Tudo isto sem que a rede social do momento seja um elemento determinante, apenas influenciador.

O grande obstáculo está numa pequena nuance: Todos os profissinoais de comunicação estão a tentar descobrir como trabalhar nas redes sociais, e ainda não tentaram descobrir como podem trabalhar com as redes sociais.

crédito da foto: http://www.flickr.com/photos/aqhong/2201600532/

Investimento em Comunicação Online

É comum ouvir a opinião de que investir em Comunicação Online é barato e que as maiores empresas estão a canalizar para a comunicação digital a maior parte do orçamento.

Mas aceitar que se trata de um meio de comunicação barato é aceitar um falso amigo.

Por um lado é verdade que os anúncios online não estão no mesmo patamar que os anúncios nos jornais ou na televisão. Se formos analisar os custos em software e alojamento, também vamos perceber que os valores não são propriamente elevados. Menos ainda se dermos o máximo de uso às ferramentas (software) para maximizar o retorno.

Mas a verdade é que a comunicação digital não é apenas publicidade. E se por um lado temos um potencial de alcance elevado pelo outro estamos a usar uma plataforma de comunicação que requer uma série de cuidados.

Sozinha, a fase de avaliação e planeamento requer um conjunto de conhecimentos e experiência que neste momento são bastante raros em profissionais de relações públicas. Even academics see some difficulty in teaching social media/ online PR.

E quando é aplicada uma táctica de comunicação é importante que seja feito um acompanhamento constante das reacções que origina.

Porque no fundo, investir em comunicação online é um investimento barato tendo em conta o potencial de alcance e eficácia. O que não signfica que os custos em ferramentas e mão de obra especializada sejam baixos.

Copyright da foto: the sinking financial markets by Pedro Moura Pinheiro

PR Actions

Acção ou Acções, é o objectivo último de qualquer blog de relações públicas. Aqui a filosofia da PRactions ganha forma sob uma vertente que se pretende o mais aberta e experimental possível. Comunicar para agir, agir para mudar e mudar sempre que o presente se apresente demasiado estático ou retrógrado. Reflexões, pensamentos, artigos e opiniões sobre relações, por sinal públicas, é o que se pretende ver expresso nas linhas deste novo blog.

É desta forma que o blog PR Actions se apresenta. É um blog que foi criado por alunos do curso de Relações Públicas e Comunicação Empresarial da ESCS.

Segundo o Pedro Limpo, um dos alunos que impulsionou o projecto, a ideia é simples: ter um espaço de diálogo para os alunos de relações públicas.

Parece-me uma excelente ideia, especialmente porque sei que não é tão fácil como pode parecer. No entanto, acredito que há uns anos atrás teria sido uma tarefa mais díficil. Hoje em dia os blogs já começam a ser notícias do ano passado, as redes sociais já servem para diálogo e não apenas para reunir contactos e mostrar valores.

Hoje em dia, convencer os alunos de relações públicas a participar no diálogo pode passar por um esforço em levar o diálogo até eles. E isso pode ser feito de várias formas, encontrando os blogs e os perfis nas redes sociais para os convidar directamente para o debate, por exemplo.

Espero que o PR Actions venha a ter todo o sucesso possível, blogs deste género já fazem muita falta.