Do twitter ao facebook, onde ficam os blogs?

As conversas que tenho sobre redes sociais, sobre o twitter e o facebook em especial, já me soam a ideias recicladas.

Não acrescentam nada de novo e geralmente dou por mim a desmitificar sempre os mesmos mitos.

Eu não vejo interesse no twitter.

Esta frase vem de quem saltou para o twitter para perceber o que era e perdeu o interesse rapidamente.

O factor comum é que seguem imensos desconhecidos no twitter. Se estivermos a seguir pesoas que não têm um contributo para o nosso dia a dia, é normal que não tenham interesse. Já se em contrapartia nos esforçarmos por seguir pessoas com ideias que achamos interessantes, então o cenário muda completamente (mesmo que sejam ideias totalmente opostas às nossas, basta que sejam relevantes).

Pessoalmente, acho que o twitter é bastante mais interessante quando seguimos pessoas que nos são próximas. Pois permite coordenar esforços de modo mais simples do que através de um sms.

Eu não vejo interesse no facebook.

Relaciona-se com a primeira resposta, com a diferença de que o facebook é equivalente ao twitter com uma série de funções mais dinâmicas. Em ambas as plataformas podemos criar jogos e aplicações, seja por pura diversão ou para facilitar algum aspecto da nossa vida.

Desta forma, a rede social que escolhermos torna-se num instrumento de comunicação e entertenimento.

O facebook/twitter/hi5 tem um enorme potencial publicitário.

Este tópico de conversa é o que mais confusão gera. Primeiro porque se aplica nas redes sociais os mesmos modelos que se aplicam aos meios de comunicação tradicionais numa tentativa de compreender e explicar melhor algo que é bastante dispar. É normal que surjam conclusões que não correspondem à realidade.

Quando se fala de acções de word of mouth, os números acabam sempre por ser exagerados e pensa-se que tudo se irá tornar viral e percorrer a rede. Isso nem sempre acontece, não costuma ser monitorizado e quando é raramente é feita a correlação com os objectivos de negócio.

O interesse agora está nas redes sociais e não nos blogs.

Talvez, mas neste caso costumo recordar os Hype Cycles da Gartner.

dl_hypecycle

Não nos podemos deixar levar pelo Hype que neste momento está em torno das redes sociais.

É verdade que muitas pessoas vão preferir usar o perfil de facebook para interagir e formar relacionamentos com valor para o seu trabalho ou vida pessoal. Mas isto não é tudo.

A Wired tem uma perspectiva interessante sobre o que se passa entre o facebook e o google. Segundo eles, o facebook está a esforçar-se por ganhar massa crítica, de modo a ter o papel mais predominante nas pesquisas entre a rede social de cada um (amigos, colegas de trabalho etc.).

Mas se hoje temos o twitter e o facebook, amanhã teremos o friendfeed ou qualquer outra plataforma.

Os blogs por sua vez são uma plataforma mais estável e com a capacidade de se adaptar às redes sociais que existem ou vierem a surgir. E além dos blogs temos ainda o papel importante dos websites corporativos.

Estamos perante uma oportunidade para usar os blogs de modo original e inesperado, para criar relações entre uma organização e diversos públicos. Tudo isto sem que a rede social do momento seja um elemento determinante, apenas influenciador.

O grande obstáculo está numa pequena nuance: Todos os profissinoais de comunicação estão a tentar descobrir como trabalhar nas redes sociais, e ainda não tentaram descobrir como podem trabalhar com as redes sociais.

crédito da foto: http://www.flickr.com/photos/aqhong/2201600532/

2 thoughts on “Do twitter ao facebook, onde ficam os blogs?”

  1. ‘Todos os profissinoais de comunicação estão a tentar descobrir como trabalhar nas redes sociais, e ainda não tentaram descobrir como podem trabalhar com as redes sociais.’

    Touché, meu caro!

    Mas acho que o primeiro passo seria o de perceberem como funcionam as pessoas com e nas redes sociais. Convenhamos que as redes sociais alteram todo um paradigma de comunicação que se foi estabelecendo no séc. XX que não é fácil de contrariar. Apesar de tudo, ainda se trabalha muito na base do ‘push’ e com pouco incentivo ao ‘pull’ por parte dos consumidores.

    E depois há sempre os exemplos que servem de confirmação para as ideias pré-concebidas de como as redes sociais funcionam: aqueles que acreditam cegamente só vêem casos de sucesso, os que desconfiam centram-se apenas nos fracassos. Apesar de tudo, a discussão sobre o assunto em Portugal – apesar de uma clara melhoria nos últimos tempos – ainda está muito ‘verde’. As empresas/instituições continuam a querer confiar nos mesmos ‘experts’ de sempre e não em quem participa activamente nos novos meios.

    Quanto ao lugar dos blogs, como seria de esperar, todo o apelo de há dois anos desapareceu e foi substituído pelo interesse no twitter e nas redes sociais. Mas isso é positivo porque, como já disse em outros espaços, apenas ficam aqueles blogs que se conseguem adaptar e manter relevantes. Só quem desconhece os social media pode achar que os blogs são obsoletos. O problema é não se darem ao trabalho de estudar e perceber como podem retirar deles o melhor proveito.

    Abraço

Leave a Reply