Viva a Responsabilidade Social dos Blogs !!

Pacheco Pereira, no blog que já conhecemos tão bem, mostrou a sua opinião a respeito dos comentários e dos blogs. Na altura referia-se ao caso de José Socrates e o blog Do Portugal Profundo.

Passo a citar:

Agora que os blogues começam a sentar-se no banco dos réus, o que é normal em si mesmo porque a lei não pode ficar à porta da Rede se nela se cometerem crimes, independentemente do juízo que se possa ter sobre os casos da actualidade, há uma coisa que me parece indefensável: que o autor ou autores de um blogue não sejam responsáveis pelos comentários que publicam, anónimos ou não, caso as suas caixas de comentários sejam totalmente abertas. Por isso, os blogues que acham que lá por porem uma salva de prata, ou um prato de barro, em cima de um monte de lixo, podem ser vistos apenas pela prata ou pelo barro, enganam-se. O lixo dos comentários, tantas vezes puramente calunioso, está lá, à vista de todos e não serve nenhuma liberdade, nem nenhuma opinião “anti-sistema”, muito menos o “povo” ou a democracia. Bem pelo contrário, serve quase sempre o pior dos sistemas, a mesquinhice da aldeia, a claustrofobia do boato e da insinuação, o crime da calúnia. Depois não se queixem.

A ênfase é minha. Foi aquela frase que me fez parar e pensar. Sim, neste blog eu sou responsável pelos conteúdos e deles resultam comentários. Se esses comentários não estão identificados e não se enquadram no espírito de diálogo que tento cultivar, posso apagá-los sem qualquer peso na consciência.

Mas os comentários devem ser analisados caso a caso! No caso em particular que Pacheco Pereira comenta, houve comentários anónimos que levaram a por em causa a licenciatura de José Sócrates. Eu também teria mantido os comentários anónimos depois de verificar a informação dos mesmos.

Do meu ponto de vista, os blogs devem proteger a liberdade de expressão a partir do momento em que decidem aceitar comentários aos artigos. Podemos ainda exigir que as pessoas se identifiquem para poder comentar, e isso eu também defendo. Porque no final da equação, cabe a cada um a responsabilidade pelo que escreve. Ao blogger, cabe a gestão do blog e da liberdade de expressão de cada um analisando cada caso no seu contexto.

Para não tornar este post mais pesado, o próximo vai falar da gestão de comentários de modo mais aprofundado.

[update]

Outros blogs onde foi mencionado o tema:

8 thoughts on “Viva a Responsabilidade Social dos Blogs !!”

  1. Eu sinceramente não entendo como é que eu, como blogger, posso ser considerado responsável por um comentário feito a um artigo meu. Não fui eu que o escrevi, não promovi e no entanto pelo simples facto de permitir que alguém se expresse sou considerado responsável? Alto e para o baile! Lá porque não andamos de caneta azul em punho a atentar contra as liberdades de todos os comentários somos automaticamente considerados responsáveis por tudo o que neles está escrito? É bom que provém em tribunal essa responsabilidade. Daqui a nada estamos a processar cadeias de televisão porque em directo um qualquer individuo injuriou uma pessoa.

    Eu como blogger reservo-me o direito de apagar comentários que considere impróprios é verdade mas não vejo diferença entre isso e o reservar o direito de admissão num qualquer estabelecimento comercial.

  2. somos responsáveis porque o blog é criado por nós e ele é o veiculo dessa mensagem. Quanto maior for a influência do blog, maior são os efeitos dos artigos.

    Por isso temos de ir pensando todos os factores e gerindo os comentários recebidos.

    Um blog é quase como um jornal onde qualquer um pode participar. E se não permitimos censura nos jornais, também não podemos permitir nos blogs. Ao mesmo tempo temos de saber ter o bom censo para analisar cada comentário e cada contexto. Sempre que possível devemos apelar a que as pessoas se identifiquem e se responsabilizem pelo que escrevem.

    Se surgem casos de calunia, então proponho que toda a gente se apresente em tribunal e mencione o que se passou. O blogger explica que manteve o comentário online pela relevância, liberdade de expressão que defende ou qualquer outro argumento que ache relevante. E quem colocou o dito comentário que argumente e justifique as suas razões.

    Hoje em dia é cada vez mais fácil descobrir quem usa determinado número de IP ou e-mail, basta um pouco de esforço.

  3. Caro Bruno Amaral:antes de mais chego aqui via planet geek.
    Com toda a simpatia por si, mas faz mal várias coisas.
    em 1ºlugar em linkar o sr pereira. Uma das pessoas que menos moral tem para falar de blogs ou de comentários.
    2º o sr em questão tem saudades do tempo em que se permitia dizer o que deveria ser ou não ser a blogosfera.
    3º é por isso que fala dos comentários. Que é uma táctica indirecta de atacar blogs mais pequenos, que , na pratica lhe roubam audiência, publico e capacidade de influência. ( É graças a essa capacidade de influência que ele depois cobra 2500 euros por artigos em jornais onde diz que na blogosfera devem ser processados autores de comentários).
    Portanto ele agora descobriu este filão, que é o de atacar blogs que tem caixas de comentários abertas.
    É useiro e vezeiro neste tipo de tácticas habilidosas todas feitas com o intuito de criar uma vaga de fundo tendente à despromoção de blogs mais pequenos e da opinião que neles se publica.
    4º Concerteza que você -bruno Amaral – não é responsável pelos comentários que lhe põem no blog. Era agora o que faltava ser responsabilizado pelo que se passa na cabeça dos outros não?
    O que o sr pereira com esta conversa de treta quer, é que os comentários desapareçam dos blogs, ficando assim o “padrão” idêntico ao do blog dele.
    5º Já agora informo- o que o seu colega do planet geek o antónio dias que está na finlandia tem uma ideia do que se passou; porque sr pereira em abril de 2006, trapaceiro como é, escreveu um artigo no jornal público, em que, o artigo estava “feito de forma habilidosa” para induzir a quem o lesse e nada soubesse do que era a blogosfera, fosse induzido a pensar que pequenos grupos de malfeitores – pedófilos – assassinos andavam pelos blogs a escrever comentários onde defendiam as suas ideologias pedófilas e assassinas perante a impotência e a indiferença geral. E que só ele , pereira , o visionário, reparava.
    E sabe porquê é que ele fez isso?
    Porque na altura a sra constança cunha e sá, mulher do sr vasco pulido valente e o sr vasco, abriram um blog chamado “o espectro” que começou a ter “proporcionalmente ” mais visitantes do que o blog de chacha que o sr pereira finge que produz.
    E tinha caixa de comentários aberta e existiram posts com mais de 150 comentários.
    Ou seja, o sr pereira começou a perder o pedestal de mediocridade onde vive.
    Na altura o sr pereira, não teve qualquer problema ético ou de moral ou de outra coisa qualquer, em escrever sobre a blogosfera num jornal, apenas e só para atingir o blog dos 2 personagens referidos acima, insinuando e publicando num jornal os nicknames” de várias pessoas -algumas das quais- tinham blogs e eram perfeitamente identificáveis nos blogs que tinham.( isto não é anonimidade ao usar-se “um canal de distribuição” para atacar quem se move noutro “canal”?(
    Também na altura não teve problemas nenhuns, o sr pereira, em meter no artigo do jornal os nicks dessas pessoas num paragrafo; e paragrafo e meio a seguir nas linhas de baixo mencionar um blog americano que tinha sido feito e ainda estava online,pertencente a um serial killer americano e dando isso como exemplo dos “perigos da blogosfera”.

    Para quem não sabia nada da blogosfera, aqueles nick names que ele escarrapachou ali, conjugados com a história do serial killer eram uma associação mental indirecta( mas feita com cristalina clareza!!!) que era feita.
    Nesse artigo, o sr pereira também não se coibiu de emitir opiniões imbecis acerca da vida privada daquelas pessoas que tinham nicknames e comentavam no espectro e considerandos sobre “qual seria a motivação e sentido de vida daquelas pessoas para andarem a meter comentários anónimos”.

    Como se existisse alguém ou alguma entidade, divina ou não que tivesse outorgado um alvará ao sr pereira para ele ser o designado controlo de qualidade de quem comenta ou de quem não comenta.A regra ISO 9000 da parvoíce pereiriana adoptada.

    Além do mais como o Bruno amaral é da area de informática, sabe (melhor do que eu, até e de certeza) o que é SEO.
    E há uns anos atrás o sr pereira tinha uma visibilidade.
    Agora porque já existe SEO , o sr pereira tem outra visibilidade. MENOR.
    Por isso está a dar ao pedal para ver se recupera o tempo perdido e se volta a ser “o melhor, o mais forte , o mais gentil” em resumo o mais egocêntrico medíocre cá da paróquia.

    Por isso faça um favor a si mesmo e à humanidade: não link para aquele abecula que o que ele quer e é mama para aparecer melhor colocado nos pageranks e companhia limitada.
    Porque o B.amaral linka para o sanguessuga, e aumenta-lhe o oagerank e o technorati, mas pode ter a certeza que ele não linka para si.
    Os mais belos altos e gentis da blogosfera – isto é o caixão branco com poemas idiotas a mandar ao intelectual que é aquela coisa que ele faz e a qual chama blog -não linkam para coisas como esta; o bruno amaral.com não é digno de receber uma linkagem .
    Percebe a ideia?
    Por isso não vá em cantigas pereirianas e mande o tipo tomar banho no Tejo e Ignore-o, porque se ele desaparecer da blogosfera só os dependentes psicológicos que vão ao blog dele notam a falta dele.
    Declaração de interesses:eu não fazia parte do grupo de pessoas que ele bufou o nickname no jornal.
    Declaração 2: se quiser o artigo emquestão eu procuro-o aqui na garagem que tenho e depois envio-lhe por email e o B. aMaral percebe melhor
    EM caso de duvida pergunte ao A.dias do marketing de busca que ele é capaz de se lembrar da história uma vez que eu tive uma vez uma conversa com ele no outro blog que ele faz quase sósobre a finlandia e que , como á esou a ficar senil e são mais de duas horas da manhã, nao me lembro o nome.
    PS: não dê colheres de chá ao pereira.
    E boa noite que teno um javali ao lume.

  4. Eu estou de acordo com o que escreve o Manuel da GLDQL. Por isso realcei a sua opinião, sem lhe dar qualquer valor acrescentado. O extracto que seleccionei é (pensava eu) suficientemente sucinto e claro.

    Tive no entanto um comentário ao meu post, extremamente pertinente, e gostaria de o deixar aqui (com a devida vénia ao comentarista, Alexandre Leite):

    Sobre isso ver isto: http://www.alasbarricadas.org/sgae/?p=28

    “Imagina lo siguiente:

    1. Usando un pseudónimo, Ramón publica un comentario ofensivo sobre sí mismo en tu blog.

    2. A continuación Ramón te demanda por violación de su derecho al honor.

    3. Un juez que no conoce ni entiende Internet te condena a pagarle 1 millón de pesetas a Ramón, a pesar de que tú te apresuraste a borrar el comentario en cuestión.

    4. Ramón repite el proceso con el siguiente blog, hasta conseguir acabar con toda la blogosfera.”

  5. A questão é complicada. As publicações on-line tem uma mutabilidade que um jornal em papel não tem. Num blogue posso admitir um comentário hoje, daqui a cinco minutos apagá-lo, mudar de ideia e voltar a admiti-lo.
    Não devemos é confundir liberdade de expressão com balbúrdia e lixo. O blogger é o pequeno ditador do seu blogue. Se alguém não vir publicado um comentário, não se pode queixar de falta de expressão. Os comentadores não se podem sentir ofendidos na sua liberdade de expressão por blogues de sucesso banirem os seus comentários. Se não encontram lugar ali para a sua opinião, porque não fazem eles o seu próprio blogue?
    O que muitos bloggers não podem fazer a todo o momento é serem juízes de tudo e mais alguma coisa. Os blogues de sucesso chegam a ter mais de 200 comentários diários. É humanamente imposível verificar todos os comentários.
    Eu vejo um blogue como uma casa. Se alguém cometer um crime em minha casa, não serei eu certamente o responsável pelo mesmo. Excepto se souber que o mesmo vinha a minha casa com intenção de o fazer e eu nada fiz para o impedir. É por isso que muitos bloggers se reservam ao direito de ler os comentários antes de os publicarem. Os que o fazem deviam ter qualquer tipo de responsabilidade perante a lei, porque tiveram a oportunidade de ler antecipadamente o que ia publicar.

    Talvez no futuro os bloggers sejam “obrigados” a publicar uma nota de rodapé para se prevenirem e explicarem o óbvio: “o conteúdo dos comentários é da exclusiva responsabilidade de quem os produz” E no formulário “Leave a Comment” talvez seja necessário passar por uma pergunta prévia “Assumo a total responsabilidade pelos comentários que fizer. Aceita: Sim. Não.”

    Espero que não cheguemos a esse ponto.

  6. Devo dizer que quanto mais penso no assunto mais confuso fico e não sei que concordo inteiramnte com o disse há pouco.

    Há outro ângulo na questão: o blogue como produto e como um todo. O blogue não é uma televisão. No directo televisivo, não se podem controlar muitas coisas.

    Se eu tenho uma publicação em forma de blogue então tenho de ser responsável pelo que lá se publica. Não devo deixar que o usem como canal de calúnias e difamção. Não devo dar espaço a ilegalidades. Mas esta responsabilidade não deve ser com a lei, deve ser com os meus leitores. Se quero que as pessoas leiam um blogue de qualidade, não devo permitir comentários sobre azeitonas em posts sobre trigo. Sou responsável com o leitor se selecciono aquilo que em consciência acho que ele deve ler. Sou responável se não permito calúnias e informações falsas ou que prejudiquem.

    Senão posso ler 200 comentários por dia devo impôr um limite confortável para mim e para os leitores. Nos programas de rádio interactivos nem todos os inscritos particpam nesse dia, por vezes alguém fica de fora.

    Em relação a questões legais só não aceito é que seja o blogger o único e exclusivo responsável. Era quase o mesmo que dizer que os inventores dos automóveis são os únicos responsáveis pela sinistralidade rodoviária…
    O principal responsável deve ser o comentador e só em última instância se deve perguntar ao dono do blogue porque permitiu a publicação desse comentário.

    Bruno, por este andar, a coisa há-de ficar tão complicada que o melhor é começares já a convidar alguém como provedor do leitor do blogue!

  7. Pedro, quanto às razões de Pacheco Pereira, desconheço. Mas dado o teu comentário, percebo a tua postura.

    Os links para o Abrupto estão no post porque a regra “cá da casa” é que os posts devem conter links válidos e sem a tag nofollow. Além disso este ainda é um blog pequenino, não lhe vai dar muitas visitas.

    O JAM colocou uma questão interessante. O uso de comentários falsos por indivíduos ou grupos de interesse. Já aconteceu neste blog quando se falou do blog falso da vodafone.

    Ricardo, tens razão sobre a responsabilidade de quem comenta. Mas repara também nisto, como blogger eu esforço-me para que este site tenha cada vez mais exposição na web. Se alguém vier colocar comentários de carácter menos claro, vai aproveitar-se desse meu esforço.

    Então vou ter de garantir para os meus leitores a imparcialidade e qualidade de conteúdos.

    É o que tenho vindo a defender: os blogs são um espaço de diálogo. E nos diálogos, participantes mal intencionados ou que não contribuem de modo positivo acabam afastados pelo moderador.

  8. Estou de acordo com o princípio de sermos inteiramente responsáveis pela gestão do blog e a manutenção dos comentários, a sua supervisão, edição e, em último recurso, extinção, é da nossa responsabilidade.
    No entanto, creio que esta gestão deve ser feita de forma responsável, isto é, devem ser suprimidos e/ou editados comentários que não coincidam com o artigo em questão, que sejam caluniosos ou injuriosos ou ainda de teor duvidoso [porno, spam, etc.]. Não sou, no entanto, a favor de se apagar um comentário pelo simples facto de este vir de uma fonte anónima.
    O anonimato é uma face da blogosfera e é, com todos os contras que daí possam advir, um pouco a “alma” da liberdade que por aqui se vive. E, ainda assim, uma liberdade relativa.
    Mas a caixa de comentários, quando profusamente utilizada, é realmente uma das faces do blog. E isso é não só interessante como, por vezes, difícil de gerir.
    Conforme é frequentemente apontado neste blog, é difícil saber o que vale mais: se uma caixa de comentários cheia ou uma boa leitura de e-mail e feeds.
    Na minha opinião, a caixa de comentários – embora a minha seja um deserto de aridez – é a forma mais coerente com o espírito de partilha de informação e de discussão aberta. Mas isso tem também que ver com a filosofia do blog. Muitos há em que a caixa de comentários está fechada porque, pura e simplesmente, o teor dos seus artigos não é – sob o ponto de vista do autor – discutível…
    O caso do Pacheco Pereira é diferente: ele obtém comentários via e-mail e apenas publica os que considera interessantes. Ora, isso para mim é uma espécie de lápis azul. Se a coisa é pública, não deve ter duas faces.
    De certa forma, estou um pouco com o Pedro Silva no que ao JPP concerne. É que o senhor não é lá grande exemplo de virtude blogosférica… mas, de qualquer forma, não é isso que interessa tanto.
    O que interessa aqui é o facto de, por exemplo este post, ter originado um feedback interessante em torno de uma problemática actual e que merece ser discutida abertamente. E não há nada que pague isso, não é?
    Abraços,
    CJT

Leave a Reply