A hierarquia de Necessidades de Maslow

Já tiveram um daqueles dias em que não se querem levantar da cama ?

Aposto que Maslow também, e não me admirava se a ideia da pirâmide de necessidades viesse dai. Se não vejam só isto.

O Sr Maslow acorda, olha para o despertador e não entende o que lhe deu para o marcar para tão cedo. Desliga-o e deixa-se ficar.

Mas não tarda muito até que uma necessidade fisiológica o apanhe de surpresa. Seja fome ou sede, não interessa. Interessa é que ele se levanta e resolve a questão.

Pequeno almoço tomado, o pensamento seguinte é “tenho de ir trabalhar”. Hoje em dia só nos sentimos seguros tendo um emprego. Porque é sinal que temos os meios para nos alimentar-mos, para nos mantermos saudáveis e para cuidarmos das nossas famílias. E se não temos um mínimo de segurança, nem sentimos necessidade de relacionamento social.

Ou seja, enquanto as necessidades fisiológicas não estão satisfeitas, as seguintes não importam. Mas desde que estas estejam minimamente satisfeitas, então começamos a sentir a pressão da hierarquia seguinte. E assim por diante…

Um dia de trabalho torna-se na analogia perfeita para a hierarquia de necessidades. Desde o pequeno almoço ao sentimento de um trabalho bem feito, passando pelo relacionamento com a família, colegas de trabalho e amigos.

A pirâmide da imagem mostra bem esta hierarquia. Mas falta-lhe uma categoria. Mais tarde Maslow veio a acrescentar a necessidade de saber e compreender. O livro de Maslow que fala disto chama-se “Prefácio à teoria das Motivações”.

Hierarquia de Necessidades de Maslow, retirada da wikipediaImagino que alguém já esteja a pensar o que é que isto tem a ver com as Relações Públicas. O próximo post explica tudo. Mas até lá estão à vontade para deixar um palpite nos comentários.

6 thoughts on “A hierarquia de Necessidades de Maslow”

  1. Em marketing ou publicidade concerteza que a pirâmide de Maslow estaria relacionada com o estudo das motivações de consumo do público-alvo. Em relações públicas penso que servirá para o mesmo com umas ligeiras nuances, já que o objectivo não é vender um produto (cof, cof!), mas comunicar com os stakeholders de forma a criar relações que beneficiem os interesses das empresas e das populações…

  2. Mário, até agora concordo com tudo. Mas acho que podias continuar e acertar em cheio.

    Pormenor importante, stakeholder designa o público interno e externo. Podem ser os funcionários, os fornecedores, a administração ou a população local. Para se ser parte do grupo de stakeholders, basta estarmos em posição de ser afectados pela organização. Afectados de forma positiva ou negativa, tanto faz.

  3. Negativo!

    O conceito de stakeholder se refere à forma como as organizações tratam seus públicos.
    Algumas tratam como públivo-alvo, outras como público interno e público externo, outras ainda como públicos estratégicos e o modelo mais atual é o de stakeholders, no qual a empresa considera que TODOS os públicos afetados por ela são públicos importantes e merecem atenção e que a comunicação seja feita de forma a englobar TODOS os envolvidos, não somente os públicos estratégicos.

  4. A teoria de maslow e as relações publicas estão interelacionadas na medida em que as relações publicas tem a função de apresentar sempre o cariz positivo entre publico e entidade.Esse positivismo terá te abrangir varias categorias, nas quais o publico se sinta familiar e sinta que ele é que controla a marca, pois para ele a marca satisfaz as suas necessidades, a marca é o seu espelho, não pensando que esta molda o publico e faz com que este tenha os pensamentos que a marca permite.
    Ora a teoria de maslow segue necessidades satisfatorias, no qual a maxima necessidade é a realização pessoal, claro que para chegar a esta passamos pelas outras fases, às quais passam pela necessidade de estima, amor, segurança e fisiologia.tudo isto pareçe simples e nada relacionado com as rp, mas se pensarmos que as rp controlam o publico e orienta nos para estilos de vida, logo as rp ao ditar os termos das fases das categorias de maslow, vemos que os nossos sentimentos de motivação e satisfação existem mas são moldados e geridos pelas relações publicas, para que um a um seja um todo e esse todo tenha uma necessidade de de indentificar com o todo, seguindo as tais motivações por categorias.

  5. A teoria de maslow e as relações publicas estão interelacionadas na medida em que as relações publicas tem a função de apresentar sempre o cariz positivo entre publico e entidade.Esse positivismo terá te abrangir varias categorias, nas quais o publico se sinta familiar e sinta que ele é que controla a marca, pois para ele a marca satisfaz as suas necessidades, a marca é o seu espelho, não pensando que esta molda o publico e faz com que este tenha os pensamentos que a marca permite.
    Ora a teoria de maslow segue necessidades satisfatorias, no qual a maxima necessidade é a realização pessoal, claro que para chegar a esta passamos pelas outras fases, às quais passam pela necessidade de estima, amor, segurança e fisiologia.tudo isto pareçe simples e nada relacionado com as rp, mas se pensarmos que as rp controlam o publico e orienta nos para estilos de vida, logo as rp ao ditar os termos das fases das categorias de maslow, vemos que os nossos sentimentos de motivação e satisfação existem mas são moldados e geridos pelas relações publicas, para que um a um seja um todo e esse todo tenha uma necessidade de de indentificar com o todo, seguindo as tais motivações por categorias.

Leave a Reply