Wi-Fi or no Wi-Fi? Relações públicas para Cafés

O bom de ter um portátil é puder trabalhar fora do escritório. O problema disto surge quando se precisa de acesso à internet.

Alguns cafés e lounges possuem redes sem fios, outros nem por isso. Em qualquer dos casos, as redes que tenho visto são sempre mal aproveitadas e trazem sempre algumas questões curiosas.

Primeiro, a questão do valor. A ideia de ter uma rede sem fios é atrair clientes, fazê-los ficar mais tempo e consumir mais. O que pode acontecer, é alguém entrar no estabelecimento, pedir um café e ficar por lá o resto da tarde sem precisar de mais nada. Num extremo, ter acesso à web pode ser um prejuízo visto que o cliente não faz despesa.

Por outro lado ainda não vi um estabelecimento a dar um uso completo à rede wireless. E digo isto por razões simples:

  • Não identificam a rede wi-fi com o nome do estabelecimento,
  • Não colocam a morada do seu website à vista do cliente,
  • Não disponibilizam a ementa online,

Numa aplicação mais elaborada, era ainda possível ter como página de entrada o site do estabelecimento. Como acontece quando tentamos aceder à web a partir de um ponto de acesso da PT-Wifi.

Do mesmo modo, anunciar ao público alvo que temos acesso online torna-se facilmente numa forma de divulgação de baixo custo e eficácia elevada.

2 thoughts on “Wi-Fi or no Wi-Fi? Relações públicas para Cafés”

  1. Uma análise interessante esta. Para um grande estabelecimento acho que mts dos aspectos que são referidos se aplicam, mas e para um estabelecimento, por ex um café, de pequenas dimensões?

    Sem dúvida que identificar a rede wi-fi com o nome do estabelecimento seria o básico (já estive em mts que não o fazem), mas as outras duas razões penso que talvez já seja de mais para um pequeno café. Pois o mais certo é o dono ter-se lembrado que até era engraçado ele ter ali wi-fi para chamar outro tipo de clientes e depois tudo o que possa vir a mais do que isso e acarrete despesa ou trabalho já não lhe interessará muito.

    Digo isto pois é a ilação que retiro de dois cafés que tinham wireless. E que são os que posso tomar como exemplo.

  2. realmente não é preciso fazer TUDO. Basta o que acharmos adequado para o contexto. Se for um café com uma clientela que até já se conhece e só vai lá para antes de ir trabalhar, pode ser que a wi-fi so venha atrapalhar.

    Se for um café com o mesmo tipo de clientela, mas que vai lá para descansar e estar com amigos. Então é capaz de haver coisas mais interessantes para fazer. Ver filmes, montar jogos online (há muitos adeptos de football manager e outros jogos do estilo) ou até montar um blog com vídeos e piadas para que esse grupo mais regular tenha com que se entreter.

    O esforço não precisa de ser grande e o que interessa é adaptar a actividade à dimensão e estilo próprio do estabelecimento. E claro, isto não é linear nem eterno.

Leave a Reply